Prefeitura lança selo de qualidade para feirantes de Curitiba

29 de abril de 2016
Utilidade Pública
0Comentários

Um selo de qualidade vai indicar aos consumidores quais feirantes seguem normas de boas práticas na produção e comercializam alimento seguro, da origem ao ponto de venda. Para obter a certificação, os permissionários deverão cumprir uma série de condutas e procedimentos. O protocolo de boas práticas possui regras comuns a todos – como normas para aquisição de matéria-prima, preparo, transporte e armazenamento – e variantes específicas para cada tipo de alimento.
A obtenção do Selo Alimento de Qualidade será por adesão. O processo será orientado pelo Sebrae-PR e a concessão será feita por uma empresa certificadora. “Cada vez mais as feiras têm mostrado uma evolução no processo de qualidade, de melhorias em todos os sentidos, de capacitação e aprimoramento do serviço”, enfatizou o prefeito Gustavo Fruet, na assinatura do termo de parceria com a entidade, na tarde desta quinta-feira (28).
“O selo vem dar garantia sobre a qualidade do alimento. O cliente não sente o resultado de imediato, mas depois quando vê como o alimento é manipulado e conservado, percebe a importância da participação da empresa”, disse o gerente regional do Sebrae-PR, José Ricardo Castelo Branco. A assinatura do termo foi realizada na abertura oficial do 1º Simpósio Nacional de Feiras Livres e Mercados Públicos, que prossegue nesta sexta-feira (29), no mezanino do Mercado de Orgânicos, instalado no interior do Mercado Municipal.
O secretário municipal do Abastecimento, Marcelo Munaretto, ressaltou que as feiras e os mercados são “importantes meios de geração de saúde, justiça social, distribuição e geração de renda e de socialização”. “Esta é a primeira vez que o tema das feiras e dos mercados é debatido de maneira tão séria e técnica. É uma situação inovadora quando gestores públicos, empresários e membros da academia se reúnem para discutir juntos as feiras e os mercados como um instrumento público.”
O Simpósio reuniu nesta quinta-feira cerca de 160 participantes de oito estados brasileiros e do Distrito Federal. Dirigido a especialistas, técnicos e acadêmicos do setor, o evento inédito pretende discutir e compartilhar boas experiências e novas práticas em feiras e mercados. A abertura do evento também contou com a participação do delegado federal do Ministério do Desenvolvimento Agrário do Paraná, Reni Denardi; e dos representantes da Emater-PR, Paulo Hidalgo; e do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Katleen Machado, entre outros especialistas do setor.
Selo
Inicialmente, o Selo Alimento de Qualidade poderá ser concedido a permissionários que comercializam alimentos prontos para consumo, como os lanches e as comidas típicas. Feirantes que vendem alimentos minimamente processados também poderão aderir ao selo. Nessa categoria se enquandram os hortifrutis (frutas, verduras e legumes) fatiados e vendidos em porções, sem a alteração de cor, textura e sabor. No próximo ano deverão ser incluídos outros segmentos, como de carnes in-natura, frios, laticínios e bolachas.
Estima-se que será necessário em média quatro meses para que cada permissionário tenha seu produto adequado às normas para a certificação, de acordo com consultoria a ser oferecida pelo Sebrae. São 113 permissionários que comercializam alimentos prontos em 71 pontos, distribuídos entre feiras livres, noturnas, gastronômicas, Nossas Feiras, orgânicas e litoral. Muitos permissionários atuam em mais de um ponto. No total, são 391 permissionários de 95 pontos, somadas as oito modalidades de feiras existentes na capital.
Processo
A médica veterinária Virginia Gasparini, responsável pelo Programa de Controle de Qualidade das Unidades de Abastecimento da Secretaria, explica que o plano de trabalho que reúne as regras de boas práticas de manipulação de alimentos, e que permitirão a concessão do selo, se baseia em normas nacionais e internacionais. “A consultoria a ser oferecida pelo Sebrae, com metodologia já desenvolvida, prevê não apenas a orientação como também a correção de não conformidades e o acompanhamento de todo o processo.”
Um conjunto de procedimentos a serem observados e executados é utilizado para avaliar cada permissionário por meio da pontuação obtida por meio de uma listagem. Esses procedimentos foram adotados e estão sendo implantados desde 2008 pela Secretaria do Abastecimento. Portanto, o selo representa a consolidação e a validação dessa ferramenta já adotada.
Entre dezenas de outros, um dos pontos das boas práticas se refere a higienização – do próprio manipulador do alimento, do local, de mãos, de alimentos, utensílios, equipamentos, etc. A exigência de assepsia inclui até a limpeza de caixas de água e o adequado controle de pragas no ambiente de manipulação e no entorno do local de preparo. À consultoria caberá observar e orientar aos permissionários quanto à aplicação efetiva dos procedimentos definidos e, eventualmente, as não conformidades a serem corrigidas, como por exemplo a temperatura adequada de equipamentos utilizados no armazenamento de carnes e laticínios. Vencida a etapa de consultoria tem início o processo de avaliação da empresa certificadora, que irá acompanhar etapa a etapa o cumprimento das normas de boas práticas.
Via Prefeitura de Curitiba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos que você pode gostar

No final de semana do feriado da Proclamação da República, o Mercado Municipal de Curitiba ...
9 de novembro de 2020
Mais de 20 pratos com preços promocionais e receitas inspiradas nos quatro cantos do mundo. Pela ...
13 de outubro de 2020
O câncer de mama é o mais frequente entre as mulheres brasileiras, com quase 60 mil casos por ...
12 de outubro de 2020
Open chat