Estresse diminui em 40% as chances de engravidar

16 de setembro de 2016
Curiosidades
0Comentários

Por: Minha Vida

Pesquisa aponta que saúde psicológica e bem-estar são de extrema importância para mulheres que querem engravidar

Um estudo realizado pela Universidade de Louisville (UofL) constatou que viver momentos estressantes durante o período fértil pode prejudicial as mulheres que querem engravidar. A pesquisa foi publicada na revista “Annals of Epidemology”.

A epidemiologista da Escola de Saúde Pública e Ciências da Informação da Universidade de Louisville, Kira Taylor, junto com pesquisadores da UofL e a Emory University, descobriu que mulheres que se julgaram mais estressadas em seu período fértil tinham 40% menos chances de engravidar, em comparação a outros meses menos estressantes. Já as mulheres que não relataram estresse em seu período de ovulação foram 45% mais aptas a engravidar.

Participaram dos testes 400 mulheres sexualmente ativas, com até 40 anos de idade. Elas registraram diariamente seus níveis de estresse em uma escala de um a quatro (baixo para alto). Os diários também continham informações sobre menstruação, relações sexuais, contraceptivos, álcool, cafeína e tabagismo. As amostras foram coletadas até as mulheres engravidarem ou até o final do estudo, tendo uma média de cinco a oito ciclos menstruais registrados.

Os pesquisadores calcularam os níveis de tensão média durante cada fase do ciclo menstrual, adotando o dia 14 como tempo estimado de ovulação. Foi descoberto que o efeito negativo do estresse afeta somente o período fértil, levando em conta fatores como a idade, índice de massa corpórea, uso de álcool e frequência de relações sexuais.

“Os resultados sugerem que as mulheres que desejam conceber podem aumentar suas chances de engravidar tomando medidas para a redução de estresse, tais como exercícios, se matricular em um programa de gerenciamento de estresse ou falar com um profissional de saúde”, relatou Taylor.

O estudo também constatou que as mulheres que engravidaram apresentaram um aumento de estresse no final do mês em que ficaram grávidas. Para Taylor, existem duas hipóteses sobre esse resultado: as mulheres ficam estressadas após fazerem um teste de gravidez e assimilarem que serão mães, ou, o mais provável, que o aumento seria devido a alterações hormonais causadas pela própria gravidez.

“Espero que os resultados deste estudo sirvam como uma chamada para médicos e ao público em geral que a saúde psicológica e bem-estar são tão importantes quanto outros fatores de risco mais comumente aceitos, como fumar, beber álcool ou a obesidade quando se tenta conceber”, finalizou Taylor.

Fonte: Minha Vida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos que você pode gostar

- Farinha do Acre, na Sissi Cereais, de R$13 por R$9,10 (-30%) - Granola super completa, na ...
21 de setembro de 2020
Que tal deixar os automóveis de lado nesse dia 22 de setembro e fazer um passeio de bicicleta até ...
21 de setembro de 2020
- Mirtilo (125g), na Banca do Gervario, de R$10 por R$7 (-30%) - Batata Monalisa (kg), na ...
15 de setembro de 2020
Open chat