Dor de cabeça: quais os riscos da automedicação?

5 de janeiro de 2016
Saúde e Bem-Estar
0Comentários

Medicamentos podem ter efeitos colaterais, não tratar a causa da dor e não resolver o sintoma
Por: Dr. Andre Felicio (NEUROLOGIA – CRM 109665/SP)
Vários problemas causam dor de cabeça ou cefaleia, desde causas primárias como a enxaqueca e a cefaleia tensional ou causas secundárias mais simples como sinusite, até fatores mais graves como aneurisma cerebral e tumor.
Um grande problema no Brasil com relação ao tratamento das cefaleias é o costume de nossa população com a automedicação. Mas quais os riscos da automedicação nestes casos?
Primeiro, nem sempre o leigo escolherá a medicação correta para o seu problema. Por exemplo, poderá tratar uma sinusite com remédio para enxaqueca ou poderá tomar um antibiótico para uma cefaleia primaria comum que é a cefaleia tipo tensional. Em ambos os casos estará sujeito desnecessariamente aos efeitos adversos destas medicações e, obviamente, não obterá alívio de sua dor.
Segundo, a automedicação muitas vezes leva a um ciclo vicioso na qual o indivíduo não só toma remédio demais, mas não resolve a causa deste sintoma, entrando em uma cascata de problemas que levam à dor crônica, muitas vezes diária – porque estas medicações perdem o efeito e a pessoa precisa de cada vez mais remédio para sua dor de cabeça.
Finalmente, a automedicação inverte a sequência mais adequada de tratamento de uma queixa médica, que seria buscar orientação profissional, especialmente se a dor é crônica ou tem características diferentes e inesperadas de dores de cabeça mais comuns do dia a dia.
Fonte: Minha Vida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos que você pode gostar

No final de semana do feriado da Proclamação da República, o Mercado Municipal de Curitiba ...
9 de novembro de 2020
Mais de 20 pratos com preços promocionais e receitas inspiradas nos quatro cantos do mundo. Pela ...
13 de outubro de 2020
O câncer de mama é o mais frequente entre as mulheres brasileiras, com quase 60 mil casos por ...
12 de outubro de 2020
Open chat